O analista de Cordisburgo

Meu amigo não está entre nós há muito tempo. Só para contextualizar, quando ele se exilou, o Capitão ainda não havia deixado sua roça paulista e Sérgio Moro nem havia nascido e muito menos havia resolvido se prestava vestibular para o curso de Direito ou para Publicidade… Mas me impressiona muito o modo como ele é capaz de acompanhar e emitir opiniões pertinentes sobre a realidade brasileira, especialmente na política. Às vezes suas frases são meio misteriosas, mas logo se esclarecem, a cada fornada de notícias de jornal.

 

Assim, por exemplo, sobre esta crise política que parece ser inesgotável, ele diz que ”atrás de morro tem morro” e que tudo “não muda nunca, só de hora em hora piora”. E para aqueles que fingem não ver, adverte: “o vento no ermo a todos concerne”. Mas para não passar por pessimista, completa “o mal está apenas guardando lugar para o bem”, lembrando também que “vivendo se aprende, o que se aprende mais é só fazer outras maiores perguntas”. Afinal, arremata, “a espécie humana peleja para impor ao latejante mundo um pouco de lógica, mas algo ou alguém de tudo faz frincha para rir-se da gente”, o que lhe induz ao cálculo de que “ninguém é doido, ou então, todos”.

Será que ele acredita na tal “voz das ruas”, naqueles que arrostam o vírus para saudar o Mal Encarnado em Presidente da República? Filosofa: “a gente cresce sempre, sem saber para onde”, mas alerta que os muitos que estão em silêncio “não possuem nenhum poder nenhum, dinheiro nenhum, [deles] o senhor tenha todo medo!”. Com o pezinho atrás, todavia: “povo, quando fala, fantaseia”, sem esquecer o óbvio: “tem coisa e cousa, e o ó da raposa”.

Ah, a curriola dos políticos! Estes do extremo centro, então…  Sabe dos atos de todos – e é impiedoso… Começa com ironia: “gado manso, quando dá pra bravo, é pior que o bravo, porque conhece todo o movimento”. Com efeito, não existe uma manada de bois cordatos que, de repente, se transmigram em hienas debaixo daquelas cúpulas da Esplanada? Inda mais quando atravessam a rua para falar com o Mal Encarnado. E ele sem dúvida fala com endereço certo: “no sistema de jagunços, amigo era o braço, e o aço”; “para bezerro mal desmamado, cauda de vaca é maminha”; “a colheita é comum, mas o capinar é sozinho”; “quem muito se evita, se convive”.

E o que o habitante-do-outro-lado-da-rua pode esperar do futuro? Para ele, não agora, mas mais na frente, se aplicará à perfeição o singelo adágio “o caipora até na pedra atola”? Tem amigos, ora pois, lembro-lhe. Mas ele retorque, “um bom amigo vale mais do que uma boa carabina”, lembra ele, mas para tanto tem que ter coragem de puxar o gatilho, acrescento eu: para acertar o próprio pé.

Na família Zero ele atira certeiro: “o demônio esbarra manso, mansinho, se fazendo de apeado, e, o senhor pára próximo – então ele desanda em pulos e prezares de dança, falando grosso, querendo abraçar e grossas  caretas – boca alargada. Porque ele é – é doido sem cura”.

Esta parece sob medida para aquele ministro “saído” meio à socapa: “inveja é erro de galho, jogar jogo sem baralho. Invejar é querer o peso de bagagens alheias, vazio”.

Acha muita graça de certos políticos, sempre afoitos, tal qual tanajuras depois da chuva, os Jefferson e Costa-Neto, por suposto: “boi andando no pasto, prá lá e pra cá: capim que acabou ou está para acabar”; “muito junto do braseiro, gente há que às vezes não se aquece direito, mas corre o risco de sapecar a roupa”; “é andando que o cachorro acha o osso”; “cipó não trepa em pau morto”.

Isso é moeda de troca, coisa da política, comento, mas ele não deixa por menos: “comprar ou vender, às vezes, são as ações que são as quase iguais”.

Para esses que fazem de Jesus e Deus seus parceiros na política, dispara: “Deus come escondido, e o diabo sai por toda parte lambendo o prato”. Ou então: “o diabo vige dentro do homem, os crespos do homem – ou é o homem arruinado, ou o homem dos avessos”.

As togas do STF também ganham seu quinhão: “… o erro, elemento nosso, da vida, ele está nas velas e está no vento”. E ainda: “julgamento é sempre defeituoso, porque o que a gente julga é o passado”.

Sobre as lembranças felizes que o maléfico personagem diz possuir de acontecimentos de décadas passadas, com sabor de coisa guardada em bolor: “deixar de chupar no quente cigarro, a fim de poder recolher-lhe inteira a cinza”.

Impeachment ou renúncia? “Pão ou pães é questão de opiniães”…

E até para esta covídea peste, que ninguém entende o que seja, de verdade, ele adianta: “dá é na cabeça a dor das coisas”. “Tudo, aliás, é a ponta de um mistério. Inclusive os fatos. Ou a ausência deles”. “Para não nascer, já é tarde; para morrer, inda é cedo”.

Mas ele, do alto de sua experiência e diante da clarividência que lhe confere sua moradia dos últimos anos, não teria alguns conselhos para tais personagens? Ele não se faz de rogado: “o passado é ossos ao redor de ninho de coruja”. O que fazer? “não se imagina o perigo que ainda seria, algum dia, em alguma parte, aparecer uma coisa deveras adequada e perfeita”; “o poder, no tombo dos dados, emana do inesperado”; “o mais difícil não é ser bom e proceder honesto; dificultoso, mesmo, é um saber definido o que quer, e ter o poder de ir até o rabo da palavra”; “tropeçar também ajuda a caminhar”; “quando se curte raiva de alguém, é a mesma coisa que se autorizar essa própria pessoa passe durante o tempo governando a ideia e o sentir da gente”. E, mais, dedicando palavras certamente aos eleitores do coisa-ruim: “perdoar uma cascavel é exercício de santidade”; “o roto só pode mesmo rir é do esfarrapado”.

Mas lembra ao tal sujeito uma máxima da política: “quando pior mais baixo se caiu, maismente um carece próprio de se respeitar”.

“O trágico não vem a conta gotas”, avisa, e súbito se despede de mim com palavras misteriosas: “Nonada. Travessia. Existe é o homem humano”.

(Devo esta crônica a Rubem Braga, que muitos anos atrás fez algo semelhante tendo como personagem Machado de Assis.)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s