O dilema da jabuticaba

DILMAA nossa simpática jabuticaba não é mais uma daquelas coisas que só existem no Brasil…

Aqui acontece, também, de forma inédita e exclusiva, por exemplo, um Presidente da Câmara dos Deputados, vazando crimes pelo ladrão (ou sendo ele o próprio ladrão…) tornar-se fiel da balança de um eventual processo de impedimento contra uma Presidente eleita não apenas pelos seus pares, mas por muitos milhões de brasileiros, contra a qual não há, até o momento pelo menos, acusações formais.

Deixo as coisas claras de princípio: não votei em Dilma, nem da primeira e nem da segunda vez. No plano pessoal, tenho certa birra de gente mandona e desarticulada de ideias como ela. Mas o que importa é o fato de que acredito que o rodízio de poder é fundamental para a democracia. Sendo assim, optei por Marina e depois Eduardo Jorge. Continuar lendo “O dilema da jabuticaba”