Que país é este?

<<Aqui não importa fazer o mal ou o bem: o pecado que nós nunca perdoamos é simplesmente o de ‘fazer’. Somos antigos, muito antigos. Faz séculos que carregamos o peso de coisas vindas de fora, já completas e aperfeiçoadas, nenhuma delas germinada de nós mesmos, à qual tenhamos dado afinação. Há muitos e muitos anos somos colônia. Não digo isso para me lamentar: em parte … Continuar lendo Que país é este?

Nova fábula, sabor antigo

A Dilus cabia levar seu povo à Terra das Promessas. E tal líder passara anos de sua vida preparando-se para tanto. Até que começou a grande caminhada. Um grande obstáculo logo surgiu: um profundo desfiladeiro sobre o qual se perfilava uma ponte muito frágil. Dilus não era de fazer consultas, mas resolveu ouvir dois de seus principais companheiros de jornada, Rationibus e Practicus. O primeiro, … Continuar lendo Nova fábula, sabor antigo

No Ministério da Saúde, o macaco toma conta de banana…

SAÚDE MENTALMilitantes da reforma psiquiátrica invadem sala do Ministério da Saúde sala para protestar contra a nomeação de um dono de clínica psiquiátrica para um posto onde deveria imperar uma ótica e uma ética totalmente contrárias a isso. Coisa de doido? Não! Coisa de um governo que, em nome da tal “governabilidade” entrega, a cada dia, pencas e pencas de bananas para que alguns símios as vigiem e amarra cachorros com saborosas linguiças. Continuar lendo “No Ministério da Saúde, o macaco toma conta de banana…”

Existe intolerância religiosa no Brasil?

Existiria intolerância religiosa no Brasil de hoje? Assunto que parecia morto nas dobras da História de repente volta à tona. Não sem motivos, pois aqui e ali eclodem casos concretos. Isso, forçosamente, nos leva a tentar fazer comparações com o racismo. No Brasil, até mesmo por intepretações apressadas da obra de Sérgio Buarque de Hollanda, muito se fala daquela suposta “cordialidade” inata do brasileiro. Na … Continuar lendo Existe intolerância religiosa no Brasil?

“Mais Médicos”: áreas de sombra

ChiaroscuroO Programa Mais Médicos atende, é claro, a uma demanda da sociedade brasileira. Com efeito, se os médicos no Brasil têm sua proporção face à população não totalmente distante daquela de muitos países desenvolvidos, mesmo os detratores da iniciativa admitem que a questão da distribuição destes profissionais (bem como de outros da área da saúde) é extremamente desigual no país, com coberturas muito menores nas regiões e cidades mais pobres ou remotas. Deve se lembrado, também, que o programa, embora receba críticas pela sua atuação restrita em uma abordagem fortemente quantitativa, Continuar lendo ““Mais Médicos”: áreas de sombra”