Vaga, lembrança…

Resolvi escrever minhas memórias… Pouco ortodoxas, diga-se de passagem. Por que?Minha história acabou? Por certo que não. Até este 30 de julho de 2020, dia em que finalizo estas linhas, ela continua firme e forte. E pretendo que se prolongue. Penso na Morte, mas espero que a recíproca não se verifique tão cedo, como disse Woody Allen. Mas devo dizer que, por muito tempo, achei … Continuar lendo Vaga, lembrança…

Lição de anatomia

Primeiro dia de Faculdade… A aula que assisti é impossível de ser esquecida, magna, na melhor acepção da palavra. Entramos no grande auditório da Faculdade, no antigo prédio da Avenida Alfredo Balena e lá nos esperava uma penca de professores, vestidos com longos jalecos e até alguns em paletó e gravata. Assistimos uma hora inteira de peroração empostada, que culminou com um teste de conhecimentos médicos e perguntas diretas a membros da plateia. Teve gente que tremia, inclusive eu, confesso. De duas dessas perguntas de que ainda me lembro: “como diagnosticar a condição chamada flatus morbidus acutissimus? Qual a indicação terapêutica do hálux? No final, como a potestade que coordenava os trabalhos tinha falado em exercícios a serem cumpridos para uma próxima aula magna, acerquei-me dele cheio de respeito para saber qual seria exatamente a tarefa demandada. A resposta que ouvi foi taxativa e me trouxe de volta à realidade: abre as orelhas, calouro! Cesar Augusto de Barros Vieira era o nome dele – e se tornou um grande amigo meu, anos mais tarde,

Continuar lendo “Lição de anatomia”

O analista de Cordisburgo

Meu amigo não está entre nós há muito tempo. Só para contextualizar, quando ele se exilou, o Capitão ainda não havia deixado sua roça paulista e Sérgio Moro nem havia nascido e muito menos havia resolvido se prestava vestibular para o curso de Direito ou para Publicidade… Mas me impressiona muito o modo como ele é capaz de acompanhar e emitir opiniões pertinentes sobre a realidade brasileira, especialmente na política. Às vezes suas frases são meio misteriosas, mas logo se esclarecem, a cada fornada de notícias de jornal.

Continuar lendo “O analista de Cordisburgo”

Hospital da Criança de Brasília: uma instituição em três dimensões

HCB IMAGEMVamos combinar de início: aqui fala um fã, um apaixonado pela iniciativa. Tanto que me transformei em voluntário, com muita honra! Mas é difícil não se apaixonar… Talvez alguns promotores xiitas não se sensibilizem, mas pessoas normais, com certeza. Aliás, qualquer pessoa que venha ao Hospital da Criança José de Alencar de Brasília (HCB) ao chegar percebe que está em um lugar “diferente”. Isso não acontece apenas com quem vem para trabalhar ou se tratar, mas afeta a todos que por algum motivo aqui fazem presença: visitantes, fornecedores, prestadores de serviços, curiosos. Todos! Continuar lendo “Hospital da Criança de Brasília: uma instituição em três dimensões”

Saúde e fake news

Em matéria recente (ver link ao final) a Folha de São Paulo resolveu levantar alguns dos mitos de saúde espalhados pelas redes sociais, checando e argumentando sobre sua veracidade. Por via das dúvidas faz o alerta logo ao início da matéria: “Não repasse esta mensagem a seus amigos e familiares” – sabe-se lá até onde chega a credulidade (em combinação com a irresponsabilidade…) humana. São … Continuar lendo Saúde e fake news

Oitenta dias em Portugal

img_0014Oitenta dias longe do Brasil. Mais do que isso, distante dos filhos, netos e
outras pessoas queridas; de minha casa, meus cachorros, minha cama e
meu banheiro. Oitenta dias, o mesmo tempo que Phileas Fogg, o personagem de Jules Verne, levou para dar a volta ao mundo. Eu estive num
mundo bem pequeno, mas mesmo assim muito rico e proveitoso. Mas terá
valido a pena? – é sempre caso de se perguntar. Creio que foi um saldo
positivo e me disponho aqui a demonstrar isso, tentando não deixar de lado
alguma coisa que tenha que ser debitada em tal conta. Continuar lendo “Oitenta dias em Portugal”

Eu não estou feliz, quero morrer…

Esta declaração é do cientista inglês David Goodall de 104 anos, que optou por um suicídio assistido para ir embora dessa vida, há poucos dias atrás. Para mim, esta foi uma decisão não só muito corajosa como muito lúcida. Um dia a vida perde a graça mesmo, e as pessoas têm o direito de se indagar: o que ainda estou fazendo aqui, fraco, inútil, cheio de dores, dando trabalho para os outros, esgotando as reservas de paciência e de dinheiro de minha família? E aí vem a medicina, quando não o Estado e dizem: não pode! Tem que aguentar aqui, até o fim, sofra o que sofrer. Queira ou não queira.

De minha parte, tenho tentado me precaver quanto a algo assim. Continuar lendo “Eu não estou feliz, quero morrer…”