E agora, Jair?

BOLSONAROE agora, Jair? / A eleição acabou, / A verdade surgiu, / Seu povo ficou, / Mas outros vieram, / Pra lhe atazanar. / Sua noite esfriou, / Sua cara caiu, / E agora Jair? / E agora, você? / Você que é o mito, / Que zomba dos outros, / Que não está nem aí, / Que mente e confirma; / E agora, Jair? (Leia mais…)

Continuar lendo “E agora, Jair?”

Anúncios

Temos novo governador: e agora?

O fenômeno já está sendo tratado como um case pelos cientistas políticos. Afinal, como é que alguém, em poucas semanas, abandona os meros “traços” de incidência de votos nas pesquisas eleitorais e ganha a eleição com mais de 70% das preferências? Realmente incrível… Certamente é mais uma combinação daquilo que Maquiavel chamou de fortuna (nos dois sentidos da palavra: dinheiro e sorte) e virtude (ou pelo menos a capacidade de estar presente em momento e lugar adequados, além de sintonizado com as expectativas dos eleitores). Mas o certo – e incontestável – seja bom ou ruim; estranho ou corriqueiro, é que Ibaneis ganhou. Assim quiseram seus eleitores – respeitemo-los… Mas o que ele diz  da saúde? Isso é o que nos interessa no momento. Continuar lendo “Temos novo governador: e agora?”

O que fazer com aquele amigo que vota em Bolsonaro?

Em primeiro lugar, como dizia Vinicius de Moraes, “melhor não tê-los…” Mas uma vez tendo-os, o que fazer? Para esgotar logo a parte pior, como todo mundo abriga um pequeno bolsonaro dentro de si, começo por ele, usando ele contra ele mesmo. Vou conjugar e fazer valer (mentalmente…) aqueles verbos que fazem parte do vocabulário habitual do coisa-ruim, de seus filhos e demais asseclas: torturar, … Continuar lendo O que fazer com aquele amigo que vota em Bolsonaro?

Eu e o Conasems: 30 anos depois

Em 1987, fui escolhido, em Congresso de Secretários Municipais de Saúde realizado em Londrina, como vice coordenador (mas titular na prática) da comissão que organizou a entidade nacional de tal categoria, o Conasems, criado oficialmente um ano depois, no congresso de Olinda. Fui também o primeiro vice presidente da entidade, mas mais uma vez, na prática, fiz as vezes de presidente, pois o sujeito que foi eleito no evento,  já se candidatara sabendo que não ficaria muito tempo no cargo de secretário, candidato que era a vereador em Recife. Mas tudo bem, isso não está contado nas crônicas oficiais da história do Conasems… Recupero aqui um pouco da história que eu vivi.
Continuar lendo “Eu e o Conasems: 30 anos depois”