SUS: haja ousadia para mudar!

Todos os que defendem o SUS, como é o meu caso, concordamos que mesmo com todos os seus acertos ele ainda precisa ser melhorado em muitos aspectos. Mas isso é apenas uma meia verdade, pois para um tanto de gente, a simples menção de se cancelar ou reescrever alguns dos dispositivos que regem o sistema causa temor e repulsa, quando nada acusações de heresia e traição aos ideais do SUS. Mas não são poucos os exemplos de dispositivos legais que simplesmente “não pegaram” (como se dizia antigamente da vacina antivariólica) ou simplesmente são inaplicáveis ou não passíveis de regulamentação. Continuar lendo “SUS: haja ousadia para mudar!”

Anúncios

Carta a um amigo que (ainda) acredita no SUS

Para início de conversa: o amigo em foco é Nelson Rodrigues dos Santos, o Nelsão, eminente sanitarista, herói das lutas democráticas e sanitárias no Brasil. “Ainda” não é usado aqui com alguma carga pejorativa, mas apenas para falar de um SUS que não é este que está aí, com se verá adiante. Amigo Nelsão, agradeço muito o envio de seus textos. Ainda não os li … Continuar lendo Carta a um amigo que (ainda) acredita no SUS

O SUS é fruto realmente dos “movimentos sociais”?

Jairnilson Paim é um cara bacana. Gosto muito dele. Foi membro de minha banca de doutorado, na Fiocruz e acredito que tenha sido o único que leu minha tese completamente. E ainda me ofereceu duas ou três paginas escritas de comentários pertinentes, deixando-me à vontade para incorporá-los, ou não, na versão final. E é claro que os incluí! Como este baiano afável e competente talvez … Continuar lendo O SUS é fruto realmente dos “movimentos sociais”?

Burra Lex, sed Lex?

FFoi bastante comentada nas chamadas redes sociais, nos últimos dias, a decisão da Justiça em liberar Suzane von Richthofen para o feriado do dia dos pais. Logo ela, a conhecida parrimatricida. Não entrarei no mérito da questão, a Justiça deve ter suas razões, certamente baseadas no princípio da isonomia de direitos. Ou seja, o que vale para alguns tem que valer para todos, mesmo para … Continuar lendo Burra Lex, sed Lex?

Saúde e democracia

Amigo, li seu texto com o carinho de sempre e só posso dizer que ele prima pela correção. Entretanto, essa correlação entre “SUS e DEMOCRACIA” creio que deve ser ampliada e melhor compreendida… Sem me aprofundar muito (poderia fazê-lo junto com o nosso grupo, em próxima oportunidade) acho que tal correlação, posta de forma biunívoca, como fizeram (fizemos) os atores da reforma sanitária é pouco … Continuar lendo Saúde e democracia

Gestão regional em saúde: uma revisão

SUSO presente texto, elaborado mediante contrato com a OPAS Brasil tem por objetivo, além da realização de uma revisão bibliográfica sobre o tema da gestão regional e gestão local em saúde, com foco nas diretrizes de regionalização e governança no SUS, seus avanços e desafios, responder a uma questão ampla, qual seja: a regionalização da saúde no Brasil, tal como colocada em documentos normativos mais recentes, derivados do Pacto pela Saúde de 2006, tem encontrado mecanismos apropriados de governança para se impor ao cenário da política pública? Continuar lendo “Gestão regional em saúde: uma revisão”

CPMF: Por que(m) os sinos dobram?

SINOSCPMF no cenário, de novo. Todos, ou quase todos, contra. Seria uma daquelas unanimidades burras de que falava Nelson Rodrigues? Mais uma, entre tantas outras?

Antes de prosseguir, o caso representa um bom exemplo de como andam as coisas no Brasil hoje. Para se ser contra ou a favor de alguma coisa, não carece ter argumentos, sejam eles inteligentes ou bisonhos. Não importa. Os posicionamentos políticos nascem, ganham corpo, explodem, criam adeptos e até mesmo refluem, como se fosse uma daquelas “olas” peculiares aos estádios, produtos de uma “inteligência” (ou nem tanto…) coletiva. Continuar lendo “CPMF: Por que(m) os sinos dobram?”