A questão médica

DR HOUSENo campo da saúde, os médicos representam um papel especial. Possuem liderança natural nas equipes multi-profissionais, mas às vezes se auto-promovem (no que são respaldados pela clientela) como a única profissão que realmente conta. Podem assumir papel especial de condução em processos de mudança, mas, por outro lado, costumam se colocar na defensiva frente a quaisquer transformações dos serviços de saúde, assumindo condutas imobilistas ou até passadistas. Em um caso ou outro, o peso de sua liderança é incontestável .

.









Parto do pressuposto que existe, de fato, uma questão médica que desafia o setor saúde, no Brasil e no mundo.  Seus elementos gerais podem ser descritos como insatisfação salarial, busca de autonomia e mesmo de “soberania” decisória, defesa do interesse da categoria sobre o interesse geral (mesmo com um discurso contrário), indiferença ou mesmo oposição diante das propostas de mudança do processo de trabalho, proselitismo, auto-defesa, dominação exercida frente aos outros funcionários e usuários, manipulação mediante o poder profissional, etc.

Continuar lendo “A questão médica”