Diet ou Light?

duvidasO assunto interessa diretamente a quase 40 milhões de brasileiros, ou seja, a soma dos que são diabéticos, portadores de restrições alimentares diversas ou peso corporal acima do recomendável. Para não falar daqueles que se preocupam com a qualidade do idioma falado no País.

Falo por mim: sou diabético há mais de 30 anos, sou médico e, além disso, entendo razoavelmente a língua inglesa. Mesmo assim, confesso, já me confundi muitas vezes com a infeliz nomenclatura do “light” e do “diet”, adquirindo e consumindo produtos que não eram, literalmente, “para o meu bico”. Imagine o que acontece com o consumidor comum! As coisas ficam mais complicadas, ainda, quando vemos estes produtos lado a lado nas prateleiras dos supermercados, acompanhados ainda de massas de grão duro, suplementos alimentares para atletas, arroz integral, preparados de soja e outras iguarias.  Alimentos que não seriam rigorosamente dietéticos e muito menos de baixa caloria. Eles estão ali apenas por certa analogia, criada pelo senso comum ou, quem sabe, pelo próprio gerente do estabelecimento. O resultado é que o consumidor acaba comprando gato por lebre, ou melhor, diet por light (e vice-versa).

“Diet”, em bom português, “dietético”, seria todo alimento adequado para dietas em geral, mas o termo só é utilizado para aqueles que restringem a quantidade de açúcar. “Light” (leve) seriam aqueles alimentos com teor reduzido de calorias. Até aí, tudo bem; mas, por que dizer isso em inglês?

Há alimentos designados ora como diet, ora como light, dependendo do fabricante, mas que são rigorosamente a mesma coisa, como é o caso de alguns refrigerantes. Dietas há muitas: restritivas de glicose; de lactose; de glúten; de determinadas proteínas, como no caso da gota; de gorduras e colesterol e assim por diante. Há também dietas de alta e baixa caloria. A palavra diet, portanto, não diz muita coisa. Diz menos ainda a palavra light; por exemplo, seria o nosso delicioso suspiro – açúcar quase em estado puro! – um alimento light? Leve, sem dúvida, ele é… Alguns alimentos se apresentam simplesmente como “zero %”, embora sem especificar exatamente que componente “zero” é este. A confusão é grande, como se vê.

Para aumentar a confusão, há o caso do glúten, substância presente naturalmente em diversos cereais. O glúten, em si, é um alimento inofensivo e até dotado de certa nobreza, por ser uma proteína. O problema é que uma pequena percentagem da população, muito menor do que a de diabéticos, não tolera o glúten, tendo problemas intestinais toda vez que o ingere. Curiosamente, para este caso, a legislação tomou todos os cuidados. É só observar as embalagens que frisam judiciosamente: “contém (ou não contém) glúten”! Já vi algumas pessoas relutarem em comer a chamada carne de glúten (preparada a partir da inocente farinha de trigo), dado o alarde que a legislação criou em torno da presença desta substância nos alimentos.

Nós, diabéticos, teríamos razões para invejar a sorte dos portadores da doença celíaca (a intolerância ao glúten). Estes, além de carregarem uma condição menos grave que a diabetes, proporcionalmente são muito menos numerosos na população e, no entanto, mereceram do legislador uma atenção especial. Para os diabéticos, não só é preciso se arranjar na interpretação de conceitos confusos como, o que é pior, ter que lidar com termos de outro idioma, que não o português.

O fato é que light e diet são termos que, parece, vieram para ficar, talvez pelo que Monteiro Lobato chamava de “macaquear” coisas estrangeiras, um hábito bem brasileiro. Mas, a favor da lógica e da clareza, as embalagens de produtos alimentícios poderiam conter informações mais específicas. Na variedade light, a informação, em bom português, que esclarecesse de qual redução calórica se fala, se de açúcares ou de gorduras, já que em cada caso as consequências para quem a consome são diferentes. Nos produtos diet esta informação adicional é crucial, com especificação sobre o tipo de dieta: de açúcar, de gordura, de proteína ou de outra substância. E, acima de tudo, como já acontece com o glúten e o adoçante aspartame, o que realmente importa: “contém açúcar (glicose, sacarose): alimento não recomendado para diabéticos” – em língua pátria e com leitura que dispensasse uma lupa.

A língua portuguesa agradece; os diabéticos mais ainda; o bom senso também se rejubilará. É coisa pequena, mas fundamental em termos de cidadania em saúde.

Anúncios

2 comentários sobre “Diet ou Light?

  1. Flavio,
    Excelente texto. Já enviei para os meus contatos porque existe desconhecimento sobre esses termos. Está muito didático. Luiz Augusto Casulari

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s