No cravo, na ferradura

Escher, gravura

Já disse aqui que não votei em Dilma, seja na versão um ou dois. Em Lula, confesso que votei quatro vezes, era a melhor opção. Mas creio que não votaria de novo. Só se fosse, talvez, para derrotar um bolsonaro…

Desisti de Lula não por causa de algum pedalinho ou empréstimo de sítio, apartamento cafona em Guarujá, coisas assim. É que me cansei de suas galhofas e marolas. Oito anos no poder já é o bastante, não somos da turma bolivariana. Além disso, o cara hoje me parece uma daquelas árvores centenárias, em cuja sombra não cresce nada, com exceção de uns cipós parasitas.

Dilma não mereceu meu voto. Nem seu maior adversário. Detesto gente mandona, professoral, confusa e que tropeça na língua. Do estelionato eleitoral nem falo, mas garanto que já havia percebido antes. Não sou uma de suas vítimas…

Votei em Eduardo Jorge; no segundo turno anulei meu voto.

Escrevo numa semana em que a verdadeira caixa de Pandora parece que vai se escancarar de vez. A fila das delações premiadas, de Delcídio a Bumlai, passando por Odebrecht, mal começou a andar. A caixinha que derrubou Arruda e outros é de pequena monta, perto dessa de agora.

Haverá futuro para Dilma? Eu acho que não. Mesmo que não seja cassada ou renuncie (hipótese, esta, que não me parece tão remota) o governo da professora já se findou. O mínimo que teremos, de agora até 2018, será um zumbi telecomandado, joguete de alguma base aliada, provavelmente nem “base” e nem “aliada”…

Lula acaba de ser levado “sob vara” para um depoimento no Aeroporto de Congonhas (?). Pura arbitrariedade parida por este juiz de província que atende pelo nome de Sérgio Moro. São os holofotes, morou?

Parece que não haverá amanhã… Já é hora, portanto de fazer um balanço dos anos PT no Brasil. Eu que votei nas duas vezes que o partido triunfou no plano nacional, me sinto na obrigação de tentar algo assim, não exatamente um mea culpa, mas uma tentativa de entender o contexto dos meus atos. Sem compromisso, a não ser comigo mesmo, que emprestei meu modesto voto ao projeto petista…

A era luladilma teve acertos? Muitos, eu acho. Mas em matéria de erros foi também insuperável.

Os governos do PT talvez tenham sido simplesmente azarados, na melhor das hipóteses. Talvez desastrados, incompetentes; na pior das hipóteses, mal-intencionados… A história dirá a verdade. Por ora o que vejo são conjecturas, inapelavelmente presas à ideologia e à pressa em atacar ou defender. Petralhas versus coxinhas – um dia vamos rir disso tudo.

Em primeiro lugar, penso que foi importante, depois de um FHC, quebrar o paradigma que o presidente do Brasil tinha que ser um letrado. Lula mostrou que veio para mudar coisas – e muito mudou. Mais tarde é que sua carroça capotou.

Aspecto positivo, embora isso tenha se esvanecido com o tempo, foi o de termos eleições movidas a ideias, não apenas a rancores, pressentimentos, platitudes, vacuidades. Tais fantasmas rondaram o cenário todo o tempo, mas de maneira geral foram superados em 2002 e 2006. Dona Regina Duarte deve ter tido vontade de ter outra chance para fazer seu famoso discurso. Assim, a esperança venceu o medo e pelo menos por algum tempo nos embriagamos dela, até que o sorvete derreteu.

Renda mínima, que grande acerto! Salve Suplicy, o legítimo! A ideia da renda mínima se incorporou à política pública, deixando de lado a fragmentação das bolsas disso ou daquilo. Isso abriu as portas também para certas distorções, fazendo com que o Bolsa Família tenha se transformado numa imensa arca, com amplas portas de entrada e quase nenhuma de saída. Enfim, em alguns momentos a política social pareceu se impor ante a política econômica, até que o velho dito (“é a Economia”, estúpidos”) falou mais alto, fazendo o sonho desandar.

Acho que na política externa não fomos mal, como no caso do Haiti. Com Israel o Brasil foi duro, também. Mas não dá para esquecer os tropeços com Ahmadinejadh e com a recomendação risível de Dona Dilma, em plena ONU, que se usasse a diplomacia contra o Estado Islâmico. Boas oportunidades de se ficar calado foram perdidas.

Penso também que a política de ampliação de vagas nas universidades foi legal. Para o ensino, em geral, tenho minhas dúvidas. Mas, sem dúvida, algumas muralhas corporativas e elitistas foram atacadas e detonadas. Sem retorno.

Mais médicos. A pergunta que não quer calar é: Mais? Do mesmo? Da mesma forma a sustentabilidade do programa. Mas acho que no geral os resultados foram até positivos, no mínimo por ter representado um pontapé na porta da corporação médica. O que meus colegas abominam, para mim foi um aspecto bastante positivo. A discussão sobre a interiorização e a periferização da medicina ganhou qualidade e profundidade. Podem colocar o +M entre os acertos deste governo, no meu entendimento.

Ah, o sonho dos grandes projetos de infraestrutura, reunidos sob o pomposo guarda-chuva dos PAC. O problema é que o caminho era mais tortuoso do que se pensava. As empreiteiras espreitavam. E o PT achou que havia chegado ao paraíso. Mas este era mais em baixo…

Valorizaram-se as minorias e isso teve seu preço. Teve política de saúde até para os ciganos, LGBT, “povos do campo e da floresta”. Mesmo para gente que não havia reivindicado nada, salvo quando pobres, tão pobres quanto milhões de outros – mas que novidade há nisso? O petismo se perdeu também por este caminho, ao julgar, equivocadamente, que a soma dos problemas das minorias equivaleria ao grande problema do país.

Na política o desastre foi completo. Acreditaram e investiram em um “presidencialismo de coalizão”, que acabou se transformando em “de ocasião”. E o oportunismo de muitos políticos navegou em águas tranquilas, com Cunha, Renan e outros tubarões da política à espreita, apenas de boca aberta para que o alimento vivo chegasse. E deu no que deu, não é Katia Abreu?

Penso que se há algo que mesmo os petistas mais amorosos não perdoarão – os mais conscientes pelo menos – é o partido ter se entregue, com tanta volúpia, às práticas que um dia condenou com veemência. Sempre sobrou a desculpa que isso se justificaria pelos benefícios oferecidos à causa dos mais pobres, dos desvalidos, dos excluídos. Ora, Maquiavel já havia tratado de algo assim há mais de cinco séculos, quando falou do manuseio dos fins e dos meios pelo Príncipe. Será que os ideólogos paulistas do PT não o leram?

As promessas não cumpridas… Eu juro que não fui enganado; nem acreditei nelas. Mas quando via aquele discurso bonitinho e cor de rosa, na campanha de 2014, dos baixios do meu analfabetismo político, já percebia que algo estava errado e só podia dar no que deu. Estelionato eleitoral é a palavra que define isso, mas podem chamar de propaganda enganosa também.

E a classe média, meu Deus, o que foi feito da classe média? Os mais pobres subiram, os mais ricos lucraram como nunca. Para o segmento do meio, conservador e intimidado como sempre, restou a opção de bater panelas nas janelas, aderir à primeira gritaria, independente de nexo e descer às ruas vestidos com a camiseta da CBF – nada mais apropriado…

Você certamente já foi impedido de trabalhar, viajar ou simplesmente trafegar na sua cidade por força de obstrução nas vias públicas por “movimentos” de todo tipo, não é? Isso o PT não inventou, certamente, mas foi extremamente leniente, transformando o cotidiano de muitos cidadãos em um inferno. Da mesma forma, o grevismo de muitas categorias, principalmente de servidores públicos, às vezes afetando setores essenciais a uma vida social digna, tal como a saúde, a educação, a previdência social. A síndrome de Eldorado dos Carajás, uma realização tucana, produto de uma polícia que segue mal preparada e que dedica aos cidadãos o estatuto de inimigos em uma guerra, fez da polícia uma mera expectadora da baderna e da usurpação do espaço público, longe de tentar garantir o direito de ir e vir. O problema, longe de ser atenuado, foi cultivado em banho-maria pelos governos petistas e seus estimados associados (quando isso interessa…), os sindicatos de todo naipe, inclusive de policiais. Enfim, a manutenção legítima da ordem pública foi posta em vala comum com o autoritarismo, a repressão, a omissão, a intimidação frente às ameaças dos sindicatos. E nós cidadãos pagamos o pato, além de contribuir, com nossos impostos, para a saúde financeira de tais entidades corporativas.

Convenhamos, o contrato social que um dia a humanidade estabeleceu com a entidade chamada “Estado” não devia dar cobertura aos direitos mínimos? Segurança e movimentação nas cidades não fazem parte de tal cardápio?

Trabalhei no Ministério da Saúde na era Collor e depois Itamar e FHC. Sempre como comissionado, nomeado. Ninguém me pediu carteirinha de filiação partidária (que eu não dispunha, diga-se de passagem). Em anos recentes, qualquer nomeação, mesmo para o enésimo escalão, só sai depois de minucioso exame pela Casa Civil, que analisa, entre outros requisitos o QI (quem indica) do candidato, além da existência de certa carteirinha com a estrela vermelha. E se alguém colocar todas as carteirinhas do PT da Esplanada, enfileiradas, uma a uma, a fila vai certamente passar de Diadema, e muito além…

Chega de deblaterar…. O que eu queria dizer é: esse governo teve acertos, mas também cometeu muitas mancadas. Substituí-lo é uma das prerrogativas que a Democracia nos concede. Mas entre tantas opções (impeachment, revolução, anomia social) uma se impõe pela tradição, sendo mesmo corriqueira: ELEIÇÕES. Dois mil e dezoito vem aí, vamos aguardá-lo e deixar o Brasil se mover deste atoleiro em que se encontra. O caos só interessa aos bolsonaros.

Anúncios

2 comentários sobre “No cravo, na ferradura

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s