Para inglês ver

SHAKESPEAREOs que me acompanham aqui sabem que a maioria absoluta das coisas que divulgo são textos de minha autoria. Certos ou equivocados, são meus e por eles assumo total responsabilidade. Desta vez, entretanto, abro uma exceção para este primor de reflexão sobre a realidade atual do país, da lavra de meu grande – principal – amigo Mauro Márcio de Oliveira. Deleitem-se, leitores!

 

 

Para inglês ver de verdade / Mauro Márcio Oliveira / Brasília, 14 de abril de 2016

Em 2016 comemoram-se os quatrocentos anos da morte de William Shakespeare (1564-1616). Na Inglaterra, sua terra natal, a comemoração será à moda clássica, com a máxima observância aos elementos estabelecidos nos textos originais. Já no Brasil, a comemoração é orgânica, se servindo de personagens vivos, que circulam livremente no ambiente tropical do país, com desfecho na futurista Brasília. Aqui, passado, presente e futuro se mesclam de uma forma inaudita. O passado nos chega pelos textos do bardo como inspiração; o presente mostra a vida como ela é; e o futuro, bem.. somos o país do futuro.

Em que lugar do mundo, senão aqui, um diretor de teatro conseguiria reunir as autoridades do país para, tomando o lugar de atores profissionais, encenar uma peça? Aliás, o teatro foi adaptado às circunstâncias. Aqui, tem pouco teatro e muita novela. Os gregos criaram o teatro; nós os brasileiros não precisamos de teatro, somos atores desde que nascemos, encenamos nossa forma particular de sociabilidade em todo e qualquer recinto.

É muito comum que autores teatrais se inspirem em pessoas reais para criar seus personagens para leva-los aos palcos; aqui, a situação é outra. Em primeiro lugar, não necessitamos de autores; somos adeptos da criação coletiva. Em segundo lugar, as pessoas reais daqui não inspiram personagens; são os personagens que inspiram pessoas reais nas suas vidas reais. A perfeição vai a tal ponto que um fica em dúvida se as a ficção é realidade ou se a realidade é ficção.

Para tão grande espetáculo, a encenação não pode se dar num pequeno teatro italiano, em que a iluminação torna impossível o uso do palco em toda sua profundidade, toda a movimentação necessária e a rapidíssima mudança de espaço e tempo. Também não pode se passar num palco elisabetano, despojado de recursos cenográficos, onde apenas a palavra praticamente cria o mundo cenográfico imaginado. Aqui, o palco é enorme, na escala arquitetônica 1:1. O melhor que o país dispõe na atualidade está na Praça dos Três Poderes. Nela, como parte permanente do cenário estão o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal. Essa qualificação já é motivo de ciúmes, pois se fala que as denominações palacianas deveriam ser Palácio da Suprema Presidência e Palácio dos Congressistas Supremos, para se dar a verdadeira equivalência com o Palácio da Suprema Justiça.

Entre curvas vertiginosas de concreto protendido, planos niemeyerianos e palmeiras imperiais, nossos personagens pisam tapetes vermelhos, ocupam salões negros e divisam de suas janelas, gramados verdes e espelhos d’águas com seus cisnes indiferentes à cena política.

Alguns são como o Rei Lear, que deixou o justo sentimento de alguns para acreditar nas bajulações de muitos outros. Como o Rei Lear, querem se livrar das responsabilidades, mas continuar a gozar dos privilégios do cargo. O erro do Rei Lear vai desagregar o estado, resultando em convulsões impróprias à democracia. Se tudo estivesse acontecendo no verão, as tempestades, raios e trovões refletiriam um tipo de justiça natural condenando a geleia geral em que os atores estão mergulhados. Mas, o desfecho ocorre no outono, com o ar mais seco e a temperatura alta. [1]

Para Shakespeare, direitos e deveres são indissociáveis. Pensarão suas excelências o mesmo? Tal como o Rei Lear, o personagem do Drama do Planalto (será Tragédia? Será Comédia?), na temporada 2015/16, terá de aprender a ser homem quase aos oitenta anos. Nessa condição, o processo de aprendizado é extraordinariamente doloroso. A complexidade humana do Rei Lear é monumental: fidelidade de uns junto com julgamentos errôneos, associado a ambições irreveláveis.

Outras autoridades se inspiram em Ricardo III, o Vício da Dissimulação. Shakespeare, quando idealizou a figura de Ricardo III como vilão, preocupou-se com a perda de seu potencial trágico, uma vez que a esperada queda do vilão faria com que o espectador tivesse a sensação do ‘desperdício trágico’. Qual foi a solução dada por Shakespeare? Tornou o personagem fascinante por sua capacidade de dissimulação e ousadia. Mesmo não sendo solidário com o personagem, o espectador é ‘tomado de curiosidade’ para saber se Ricardo III irá conseguir fazer tudo que imagina. Ricardo III é dissimulado, mas se mostra tímido, injustiçado, simplório e rejeitado, o que lhe facilita perpetrar seus crimes. O potencial trágico da autoridade que encarna Ricardo III é cada vez maior, cada vez mais envolvente, o que garante a tensão do espectador nacional até o final do espetáculo. De fato, a autoridade não se comporta como vilão. Ele aprendeu a ser dissimulado depois de longa dedicação aos negócios de sua igreja, onde colhe seus votos para deputado federal.

Um bom perfil de Ricardo III é traçado pela Rainha Margareth na Cena III do Ato I:

Eu não te esqueço, cão; espera e ouve:

Se o céu possui alguma horrenda praga

Que exceda estas que eu lanço sobre ti,

Guarde-a até que sazonem teus pecados

E então derrame a sua indignação

Sobre ti, destruidor da paz do mundo!

Que o verme dos remorsos te roa a alma!

Que os amigos suspeites de traidores,

E tomes vis traidores por amigos!

 

Lady Macbeth falaria dele como estando totalmente privado do ‘leite da bondade humana’.

No mundo de Ricardo III “os nobres e poderosos são intrigantes e carreiristas […] a corrupção e o abandono de critérios éticos foram propiciados por um mau governo. Para livrar a Inglaterra (o Brasil?) de um tal desmando moral seria necessário, ao mesmos, dramaticamente, um exorcismo…”

Ricardo III, que queria tudo para si, ao final diz desesperadamente: “Meu reino por um cavalo!” Para ir para a Suíça ou o nome do cavalo é Delação Premiada?

No final da peça, é morto. Não à toa, surgiu uma preocupação com um cadáver em meio a tanta algaravia nesse abril brasiliense.

O Brasil é uma coisa para inglês ver, mas, de verdade.

[1] Todas as menções a circunstâncias, nomes e cenas do teatro de Shakespeare foram extraídas das introduções a Ricardo III, Rei Lear e Otelo, o mouro de Veneza, da autoria de Bárbara Heliodora (os livros são da coleção Saraiva de bolso).

Anúncios

Um comentário sobre “Para inglês ver

  1. Perfeito seu texto, Mauro Marcio!

    Será que é a isso que chamam de “ingresia”?

    Aqui não tem to be or not to be (nem tupi or not tupi). Pessoas como o Rasputin Evangélico não têm dúvidas ou dilemas morais, sua certezas derivam do enredo que acólitos, também isentos de tais quesitos, compõem e se envolvem desde sempre.

    Muita saúva e muitos cupins-do-erário: os males do Brasil são centenários.

    Quem nos salvará de nossos salvadores?

    Seu texto vai pro meu blog, com as honras devidas. De acordo?

    Abraço, obrigado por compartilhar!
    FLAVIO GOULART

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s