O Brasil é mais complicado do que alguns imaginam…

ABAPORUSeu Zé é analfabeto e mora longe da cidade, no fundão de Goiás. Para conseguir atendimento médico na sede do município, tem que pegar carona, viajar uma hora inteira e esperar às vezes mais de um dia inteiro fora de casa, alimentado a biscoitos de polvilho. Mas tem outro lado nessa história: seu Zé é aposentado pelo INSS, percebendo um dos tais “benefícios de prestação continuada”, da mesma forma que sua mulher e sua cunhada inválida, ambas igualmente analfabetas. Gente mais pobre e desvalida é impossível acreditar que haja… Mas na comunidade onde vivem, eles são considerados privilegiados, por incrível que pareça. Ali são todos pobres e quase todos têm que trabalhar de sol a sol para conseguir um dinheirinho no final do mês. E nem sempre há trabalho para todos. O diferencial que marca estes três velhinhos é que, para eles o dinheiro, apesar de pouco, chega com regularidade. E assim a família, apesar de ainda ser pobre, já pode contar, entre seus bens, com uma geladeira e uma TV novinhas. E a próxima aquisição deve ser uma máquina de lavar roupa. Ah, sim: no armazém local, Seu Zé é um dos poucos que paga suas contas em dia.

Dona Cecília, por sua vez, tem sete filhos, de três pais diferentes. Trabalha na enxada, às vezes acompanhando o atual marido, outras vezes sozinha, ou melhor, com um dos filhos menores a lhe ajudar no que for possível. Ela está inscrita no programa Bolsa Família há alguns anos e, com isso, da mesma forma que o personagem do parágrafo anterior, mas diferente de boa parte dos moradores da vila, consegue pagar suas contas em dia na vendinha local. E conta com alguns eletrodomésticos básicos em sua cozinha. Sua última aquisição pode ser considerada um luxo: mandou aplicar em seu cabelo uma bela trança sintética do tipo rastafári, de fazer inveja a algum Bob Marley! Pagou por isso quase duzentos reais!

Alice, a filha mais velha de Cecília, tem 17 anos e já trabalha como doméstica, na cidade. Estuda à noite, mas falta muito às aulas, por dificuldades diversas. Seu bem mais precioso é um telefone celular, de segunda mão, que ganhou de uma ex patroa, através do qual tem acesso à internet. Adora o facebook, no qual, relata orgulhosa, possui mais de 300 “amigos”.

Alonso, o dono da venda, que já havido falido antes por duas vezes, mas que agora vai de vento em popa, atribui o sucesso atual de seu negócio a dois tipos de cliente novos: os aposentados rurais e os ex “sem terra”, assentados nas proximidades. Por incrível que pareça…

São faces de um Brasil novo, sem dúvida, ou, pelo menos, diferente do que conhecemos até bem pouco tempo atrás. Entendê-lo é mister complexo, que exige certa profundidade, além, com certeza, de decidida renúncia a preconceitos… Histórias assim não foram inventadas por mim, mas fazem parte da realidade que conheço. E elas continuam me intrigando e instigando a conhecer o nosso gigante de forma melhor e mais competente. E nem faço menção ás recentes manifestações que levaram milhões de pessoas às ruas em muitas cidades do Brasil.

Foi com o pensamento em casos desse tipo que me dei com o livro “Vozes do Bolsa Família”, escrito pela socióloga paulista Walquiria Rego em parceria com o filósofo italiano Alessandro Pinzani,  recentemente lançado pela Editora Unesp. O livro é resultado de uma pesquisa de campo realizada no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais e suas conclusões são chocantes, mas no bom sentido! Vejamos.

O programa Bolsa Família, tão criticado pelos que não o conhecem e nem precisam dele, teria instaurado, segundo os autores, dignidade, segurança e respeitabilidade na vida das pessoas, algo de que nunca usufruíram, de fato. Daí vem a regularidade da renda, coisa tão simples e tão remota para tantos. E é assim que surge a euforia dos vendeiros, resultado do inegável impacto econômico e comercial nas comunidades rurais, pois, ao contrário do que o preconceito dita, os pobres não são necessariamente maus pagadores e até aprendem a bem gerir seu dinheiro.

Resolvido, então, o problema? Walquíria e Alessandro são cautelosos quanto a isso, mas consideram que está ocorrendo, de fato e de direito, uma democratização real na vida brasileira. Assim, talvez de forma inédita, a elite brasileira, que sempre pensou que o Estado fosse só para ela, começa a se mancar. A mudança é ainda mais profunda e surpreendente em outro aspecto. As mulheres desses sertões, por exemplo, ficaram mais autônomas com o Bolsa Família. Elas nunca tiveram dinheiro e passaram a ter, titulares que são de um cartão e de uma senha que é só delas. E demonstram mesmo uma forte moralidade, ao priorizarem a compra da comida para suas crianças. Quando sobra é que vem o colchão, a televisão, o adereço rastafári…

O mais sensacional ainda não foi revelado aqui: o coronelismo se enfraqueceu! A situação é muito diferente, agora, daquela antiga,quando o governo entregava o dinheiro ao prefeito ou outro coronel. Existe fraude? Sim, mas ela é cada vez menor e, além disso, as pessoas aprenderam a usar o telefone 0800 e ligam de fato para reclamar.

O seguinte depoimento dos autores, com efeito, revela uma situação que “não tem preço”, referente à compra mensal de gêneros alimentícios pela família: “uma comida que era deles, que não tinha sido pedida. Não tinham passado pela humilhação de pedi-la; foram lá e compraram”. E os autores advertem, com razão: é muito preconceito dizer que essas pessoas querem é consumir; quem está distante deles não pode nem imaginar o grau de carência, que finalmente começa a ser superado

O livro, essencialmente, denuncia que existe na sociedade brasileira uma enorme crueldade no modo como se fala dos mais pobres, coisa de uma sociedade pra lá de desigual. E quem é pobre, no Brasil, nem chega a ser olhado como cidadão, mas sim como membro de uma espécie de sub-humanidade. De fato, nenhum país passa impunemente por mais de três séculos de escravidão…

Coisa boa é constatar que possivelmente não temos mais no Brasil uma massa passiva de imbecis, que não reagem nunca. E chega de preconceitos, também… E viva os telefones celulares, a inclusão digital, a solvência dos pequenos comerciantes, as tranças rastafári e o sentimento de direitos, que finalmente ganham espaço no Brasil. Mas que morram a falta de escola, o transporte precário, a saúde indecente que nós temos.

Para entender este país é preciso, mais do que competência, generosidade…

 

Anúncios

Um comentário sobre “O Brasil é mais complicado do que alguns imaginam…

  1. Caro Flávio,
    ao ver, encimando o texto o Abaporu da Tarsila do Amaral, imaginei que vc iria fazer referência à “Raizes do Brasil”, do Sérgio Buarque de Holanda.
    A partir desse livro do SBA, uma série de explicações podem ser colhidas e aplicadas à nossa realidade de hoje: Políticas públicas no Brasil, não é coisa para amadores. Andei relendo as Raízes e fico pasmo ao ver como as coisas se repetem, “ad nauseam”, como dizia um antigo professor da |UnB.
    um outro livrinho que ajuda a explicar a nossa atual situação, é ” O ÓDIO À DEMOCRACIA”. Esse é importante, e pode explicar porque, às vezes, se torna impossívelatender às demandas do “consumidor democrático”, um interessantíssimo conceito desenvolvido pelo seu autor, o francês Jacques Ranciére. A editora é a Boitempo.E o JR pega bem de jeito essa questão “cultural” da saúde…
    abs, geniberto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s