Pelas tabelas (será que eles achavam que era ela?)

camisa-amarelaConfesso que ainda não tenho opinião firmada sobre as manifestações de ontem, dia quatro de dezembro de 2016. Assim, no calor do lance, o que vejo é a avaliação de público variar de cinco mil, pela PM de São Paulo, até a mais de 50 mil, pelos organizadores. Já se vê que, pelo menos no lado quantitativo, é melhor não arriscar prognósticos de sucesso – ou não. Ficar calado é a melhor coisa a fazer…

Mas quando vejo as fotos daquelas pessoas nas ruas, de camisa amarela, o que me vem à cabeça em primeiro lugar, é a canção de Chico, Pelas Tabelas (Quando vi todo mundo na rua de blusa amarela / Eu achei que era ela puxando o cordão). Ela, quem, afinal?

Como tudo que o genial Chico faz, a letra possibilita mais de uma interpretação. Ela pode ser um objeto de amor frustrado, puxando um cordão de alegria, enquanto o pobre apaixonado morre em sua tristeza. Pode ser, mas parece que tem mais coisa neste Carnaval…

As referências políticas são óbvias. Há panelas sendo batidas; um homem “que olhava as favelas” (milícia?); o povo que pede a cabeça de alguém.

E o pobre cantor mora no desassossego, com a cabeça em total falta de paz, sendo levada numa baixela justamente por “ela”.

Fico com a segunda hipótese. “Ela”, no caso, deve representar a esperança de tempos melhores. Quem sabe a revolução ou, pelo menos, a redenção de tantas coisas erradas que nos assolam. Ele pensava que era “ela”, mas logo percebe que estava enganado.

Da mesma forma, então, “pelas tabelas”, começo a perceber que o que aquelas pessoas gritavam nas ruas, o objeto de suas aspirações, “ela” afinal, talvez não seja exatamente aquilo que a realidade está mostrando de fato. O que se vê é, mais uma vez, um acordo de elites, a justificativa de combate à corrupção sendo usada para camuflar e escamotear as prerrogativas do estado de direito, que pode não ser lá essas coisas no Brasil, mas é sempre melhor do que uma ditadura.

E eu que vivi os anos de chumbo do governo dos milicos começo a perceber que existem formas mais sutis de ditadura, por exemplo, esta que vem disfarçada de judicialização, de ritos sumários, de “convicção” substituindo investigação e provas, de shows midiáticos protagonizados por juízes e promotores,  de leis draconianas que, com a justificativa de combater a corrupção, retiram dos cidadãos, sejam eles bons ou maus, alguns direitos fundamentais.

Lembro-me de Vargas Llosa comentando as décadas do domínio do PRI no México: é a ditadura perfeita; tem tudo de democracia – Congresso, Judiciário, eleições, instituições diversas, mas não passa de uma ditadura, sin más.

De toda forma, a ausência da esquerda neste tipo de protesto demonstra, entre outras possibilidades, uma rejeição ideológica – até aí tudo bem – mas pode também ser pudor de falar de corda quando em casa há gente enforcada…

E salve Ferreira Gullar, que desde há muito tempo chamava nossa atenção para coisas assim.

E aqui vai a letra de Chico Buarque – Pelas Tabelas.

Ando com minha cabeça já pelas tabelas
Claro que ninguém se toca com a minha aflição

Quando vi todo mundo na rua de blusa amarela
Eu achei que era ela puxando o cordão
Oito horas e danço de blusa amarela
Minha cabeça talvez faça as pazes assim

Quando ouvi a cidade de noite batendo as panelas
Eu pensei que era ela voltando pra
Minha cabeça de noite batendo panelas
Provavelmente não deixa a cidade dormir

Quando vi um bocado de gente descendo as favelas
Eu achei que era o povo que vinha pedir
A cabeça de um homem que olhava as favelas
Minha cabeça rolando no Maracanã

Quando vi a galera aplaudindo de pé as tabelas
Eu jurei que era ela que vinha chegando
Com minha cabeça já pelas tabelas
Claro que ninguém se toca com a minha aflição

Quando vi todo mundo na rua de blusa amarela
Eu achei que era ela puxando o cordão
Oito horas e danço de blusa amarela
Minha cabeça talvez faça as pazes assim

Quando ouvi a cidade de noite batendo as panelas
Eu pensei que era ela voltando pra
Minha cabeça de noite batendo panelas
Provavelmente não deixa a cidade dormir

Quando vi um bocado de gente descendo as favelas
Eu achei que era o povo que vinha pedir
A cabeça de um homem que olhava as favelas
Minha cabeça rolando no Maracanã

Quando vi a galera aplaudindo de pé as tabelas
Eu jurei que era ela que vinha chegando
Com minha cabeça já numa baixela
Claro que ninguém se toca com a minha aflição

Quando vi todo mundo na rua de blusa amarela
Eu achei que era ela puxando o cordão
Oito horas e danço de blusa amarela
Minha cabeça talvez faça as pazes assim

Quando ouvi a cidade de noite batendo as panelas
Eu pensei que era ela voltando pra
Minha cabeça de noite batendo panelas
Provavelmente não deixa a cidade dormir

Quando vi um bocado de gente descendo as favelas
Eu achei que era o povo que vinha pedir
A cabeça de um homem que olhava as favelas
Minha cabeça rolando no Maracanã

Quando vi a galera aplaudindo de pé as tabelas
Eu jurei que era ela que vinha chegando
Com minha cabeça já numa baixela
Claro que ninguém se toca com a minha aflição

Quando vi todo mundo na rua de blusa amarela
Eu achei que era ela puxando o cordão
Oito horas e danço de blusa amarela
Minha cabeça talvez faça as pazes assim

Quando ouvi a cidade de noite batendo as panelas
Eu pensei que era ela voltando pra
Minha cabeça de noite batendo panelas
Provavelmente não deixa a cidade dormir

Quando vi um bocado de gente descendo as favelas
Eu achei que era o povo que vinha pedir
A cabeça de um homem que olhava as favelas
Minha cabeça rolando no Maracanã

Quando vi a galera aplaudindo de pé as tabelas
Eu jurei que era ela que vinha chegando
Com minha cabeça já pelas tabelas
Claro que ninguém se toca com a minha aflição
Quando vi todo mundo na rua de blusa amarela

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s