Dramas sanitários: entre o banal e o trágico

HISTERIAGosto de escrever (e mais ainda de ser lido…) e esta minha veleidade tem me levado a incursões pela crônica e pela poesia, além de alguma produção técnica também. Mas me faltava alguma passagem pelo teatro, arte que adoro, mas com a qual careço de intimidade, seja como expectador (pouca) ou autor (nenhuma). Mas não é que descobri, escondido em uma pasta do Windows, um texto teatral de minha autoria, produzido há pelo menos dez anos? Era para ter sido um exercício em classe, de um curso de gestão em saúde que produzi para uma instituição privada de ensino. O curso não aconteceu e as horas que passei preparando aulas e outras atividades didáticas, além de me reunindo com a equipe do contratante, não me foram retribuídas materialmente. Mas pelo menos me diverti escrevendo, particularmente este “drama sanitário em ato único”, além da melancólica história da gerente Filomena, sob a forma de um pequeno conto, que ora lhes apresento.

 

Continuar lendo “Dramas sanitários: entre o banal e o trágico”