O SUS: dez teses na contramão

Em relação ao progresso do SUS, é cada vez mais preciso buscar novos caminhos, romper com crenças e dogmas, mesmo com relação àquilo que já é (aparentemente) funcional. Isso seria um imenso dilema, até mesmo um verdadeiro drama em determinados ambientes, como no âmbito das religiões e de instituições partidárias. Mas também entre a militância do SUS é mais ou menos assim que as coisas … Continuar lendo O SUS: dez teses na contramão

O SUS e o bode na sala

BODE ORELLANADeu na mídia (ver link ao final deste texto) que uma pesquisa do Datafolha encomendada por entidades médicas revela que quase dois terços dos brasileiros dão nota menor que cinco à saúde no Brasil, seja ela pública ou privada. É duro, não é? Mas tem mais…

A pesquisa é nacional e reflete quase 2,5 mil entrevistas realizadas em junho último. Para cerca de 20% dos entrevistados, o atendimento no SUS merece nota zero; outros 18% deram nota cinco. Juntando os serviços de saúde públicos e particulares, os que deram nota zero chegam à quarta parte do total. Continuar lendo “O SUS e o bode na sala”

“Mais Médicos”: áreas de sombra

ChiaroscuroO Programa Mais Médicos atende, é claro, a uma demanda da sociedade brasileira. Com efeito, se os médicos no Brasil têm sua proporção face à população não totalmente distante daquela de muitos países desenvolvidos, mesmo os detratores da iniciativa admitem que a questão da distribuição destes profissionais (bem como de outros da área da saúde) é extremamente desigual no país, com coberturas muito menores nas regiões e cidades mais pobres ou remotas. Deve se lembrado, também, que o programa, embora receba críticas pela sua atuação restrita em uma abordagem fortemente quantitativa, Continuar lendo ““Mais Médicos”: áreas de sombra”

Dona Cecília e a boa gestão em saúde

Na minha infância em Belo Horizonte, nos anos 1950, tive a chance de estudar em uma daquelas escolas-modelo. Pública, como convinha e ainda convém. Ali, cantávamos o Hino Nacional uma vez por semana, nossos uniformes eram fiscalizados até quanto à cor das meias (obrigatoriamente brancas!) e o polimento dos sapatos Vulcabrás. Qualquer deslize com os professores e colegas fazia com que fôssemos remetidos, de imediato, … Continuar lendo Dona Cecília e a boa gestão em saúde

Saúde da Família: um “tipo ideal”

No segundo semestre de 2013 participei de um pesquisa do Observatório de Recursos Humanos do NESP (Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva) da Universidade de Brasília sobre os processos de trabalho das Equipes de Saúde da Família, analisando as respostas de cerca de duas centenas de profissionais de todo o Brasil através da metodologia Delphi de pesquisa. Com base nas informações produzidas, procurou-se responder à … Continuar lendo Saúde da Família: um “tipo ideal”

Na Saúde, para onde vai a classe média?

Em abril de 2013 tive a honra de ser relator de um evento promovido pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (dos Estados) – CONASS, cujo tema foi “Saúde: para onde vai a nova classe média?”. O documento completo está disponível para todos no site http://www.conass.org.br, mas compartilho com meus leitores a síntese analítica do mesmo, que foi redigida por mim. Segue abaixo. Primeiro Seminário … Continuar lendo Na Saúde, para onde vai a classe média?

Nós participamos. Eles decidem?

  Toda vez que se fala em participação (ou como se quer no Brasil, “controle”) social surgem logo a dúvida se o que se obtém é de fato participação livre em decisões de governos e empresas ou apenas manipulação de incautos cidadãos. Não custa nada duvidar, sempre… Mas de toda forma quero dar meu testemunho que tem muita coisa boa nesta área – e alguma … Continuar lendo Nós participamos. Eles decidem?